Prefeitura dialoga com empresários sobre destinação do lixo comercial.

A Prefeitura de Serra Talhada deu início a uma série de debates com a classe empresarial da cidade com o objetivo de alertá-la sobre a má destinação do lixo comercial. Segundo diagnóstico realizado, quase 30 empresas estão usando espaços públicos e áreas de vegetação nativa para o despejo de resíduos. “E muito disso está sendo […]

25 de abril de 2013 | 16:58

A Prefeitura de Serra Talhada deu início a uma série de debates com a classe empresarial da cidade com o objetivo de alertá-la sobre a má destinação do lixo comercial. Segundo diagnóstico realizado, quase 30 empresas estão usando espaços públicos e áreas de vegetação nativa para o despejo de resíduos. “E muito disso está sendo jogado bem na entrada da cidade”, comentou o prefeito. Neste sentido, a direção CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) e do Sindicato Patronal (Sindicon) de Serra Talhada foram convocadas para uma reunião que aconteceu nessa quarta-feira (24), na sala de reuniões da Prefeitura.Lixo 1

Na ocasião, Luciano Duque expôs a preocupação de encontrar uma solução consensual para o problema. O gestor frisou que o governo já foi autuado três vezes pela CPRH (Agência Estadual de Meio Ambiente) com cobranças de multas de R$ 7,5 mil cada, por conta da má destinação do lixo. “Mas num levantamento realizado comprovamos que o descarte está sendo feito, em sua grande parte, por empresários. Então abrimos esse diálogo para encontrarmos uma solução. Porque, no momento, quem está sofrendo as sanções é o município”, comentou o prefeito.

Os empresários parabenizaram a iniciativa de Duque em abrir diálogo com a classe. Entre as propostas sugeridas pelo governo, está a de mudar os horários da coleta de lixo no centro da cidade para evitar a exposição, por longo período, de resíduos em ruas e calçadas oriundos do descarte empresarial. “Queremos também fortalecer a coleta seletiva na cidade, fazendo com que todos os empresários procurem uma solução ambientalmente correta e comecem eles mesmos a separar seus materiais para serem recolhidos pela cooperativa de catadores que existe no município, porque muito do que é despejado são produtos recicláveis”, comentou o prefeito.